segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Minha mamãe, minha estrutura

São 39 anos ao teu lado e não me imagino um único dia sem ouvir, pelo menos, a tua voz. Já passamos tantas coisas juntas. Coisas boas, outra nem tanto, mas sempre juntas. Por muitos anos fomos tão só nós duas. Se hoje tenho minha “própria” vida, devo ao seu esforço em me educar e formar. Tudo que tenho e o que sou devo a você e a minha vó, que tanto fizeram por mim. Nossa ligação é tão imensa que chegamos a adivinhar o que a outra está pensando.

Quando eu era pequena bastava um olhar seu para eu entender o que você queria dizer e vice-versa. Um olhar seu e eu já sabia que era ora de parar. E ai de mim se não parasse na hora o que estava fazendo de errado. Hoje as coisas mudaram?! Claro que não! Você ainda me olha com aquele olhar de reprovação quando acha que passei das medidas. (rsrs) E o faz com a mesma propriedade e imponência. Afinal, a MÃE é VOCÊ!!! Você fala e eu?! Obviamente escuto e me calo. As mães sempre têm razão mesmo.

Te devo a minha vida por algumas vezes, né mãe?! Sabe, sempre reclamo em ser filha única. Acho que essa foi a única falha que você cometeu comigo. E até esta você a cometeu por amor a mim. Irônico isso. Especialmente este ano passamos por momentos dificílimos. E mais uma vez era você quem estava de joelhos e mãos postas em prece ao meu lado pedindo misericórdia a nosso Senhor pela minha vida. E por muito pouco não deixei você e meus filhos. Tenho certeza que foram suas preces que me deram mais fôlego para continuar a viver. Quanto susto já te dei nesses anos e ainda assim você não cedeu um único milímetro.

Você é dura mãe! Às vezes penso que és feita de aço, mas isso ainda é pouco pra você. Você, mãe, é feita de um material nobre, tão nobre que é único e ainda não tem nome. Você é firme e maleável; pé no chão e volátil; você é especial e só minha!!